quinta-feira, 27 de maio de 2010

e ele sempre vem
por mais que fujamos
embora morramos
sempre vem
não tente se esconder, ele é onipresente e onipotente
escarafunchar-lhe-á
certamente
é bem de mansinho suas malícias
e entra e sufoca
não tente fugir.
já disse!
aqueça a casa, demonstre surpresa.
o beije ardentemente e seja submissa
o amor adora essas coisas.
só não corra.
embarque.

5 comentários:

luanna disse...

Amei ess post ,já está no meu blog devidamente citado.

Anônimo disse...

Sempre quando venho aqui e me deparo com essas maravilhas escritas por você penso e logo creio no amor novamente.

Beijos minha querida amiga!!!

Blog do Olega´s disse...

Sei que é mesmo inevitável, Por mais corrosivos que sejam seus tragos. O desgaste nesse caso seria sacrifícil?
Por vezes, quando meu orgulho prevalesce tal sençãção, chego a desacreditar, imaginando sendo pura criação do ``eu´´ o Amor, como forma de libertação do vazio...
seus textos são embebidos de pura essência.

André Macedo disse...

Senhora Paula! Fico orgulhoso em conhecer alguém que escreve tão bem! Muito bom!

Priscila Virginia disse...

:D

Saudade de você Punky!!!