terça-feira, 23 de junho de 2009

negrito


Medidas e pudores,
pulsação e mãos.
Poder tê-la...
Quem dera ouvir o barulho de seus chinelos.
Dos seus caprichos não sei nada.
Ouço apenas seus rumores de felicidade e alento.
Feliz.
Felicidade sem se importar com rosas em planetinhas.
Minha risada não significa nada pra ela.
Outra música a toca, outros prazeres ela tem.
Sentir saudades do que nem planejo, parece um tanto quanto hipocondríaco.
Minhas fantasias me levam pra perto.
Tudo ilusão talvez, mas minha mão quando tocou a sua se transformou num coisa que ainda não sei.
Metade de mim tem outro sentido agora.

7 comentários:

Lella Cristina. disse...

Lindo!

Priscila Virginia disse...

Lindo! [2]

Perto de Mim disse...

Sentimentos novos, Paula?

Trícia Poe disse...

Que bonito!=)

Rerlyn Le Fay disse...

A sensibilidade e a verdade é o segredo para a Vida plena!
Que vc siga na aventura do teu coração querida amiga!

Sandra disse...

(re)aflorando..

Andréia disse...

Mas que bela flor!
Palavras floridas sempre nos servem de alento e também de sustento!
Muito bom!